×

Inscreva-se agora

Caixa do Autor


Discuta o seu projeto

Sobre Nós

Somos o parceiro Microsoft Gold com presença nos Estados Unidos e na Índia. Somos um provedor de serviços de TI dinâmico e profissional que atende empresas e startups, ajudando-as a enfrentar os desafios da economia global. Oferecemos serviços na área de Consultoria e implementação de CRM, Desenvolvimento de aplicações, Desenvolvimento de aplicações mobile, Desenvolvimento Web e Desenvolvimento Offshore.

Arquitetura Orientada a Serviços

Compreendendo a arquitetura orientada a serviços: princípios e componentes principais

By Pooja Sharma / 31 de janeiro de 2024

31 de janeiro de 2024
Compreendendo a arquitetura orientada a serviços: princípios e componentes principais

Arquitetura orientada a serviços (SOA) é uma abordagem arquitetônica para construir sistemas de software que utilizam serviços como elementos fundamentais. Nas últimas duas décadas, SOA fez mudanças e crescimento notáveis ​​no desenvolvimento de software.  

O uso de componentes de software conhecidos como serviços para construir aplicativos de negócios é conhecido como arquitetura orientada a serviços ou SOA. Cada serviço oferece uma determinada função comercial e todos podem conversar entre si em vários idiomas e plataformas. Com SOA, os desenvolvedores podem integrar vários serviços independentes para realizar tarefas complexas ou reutilizar serviços em diferentes sistemas.  

Para entender como SOA é um divisor de águas, devemos primeiro entender o que Arquitetura Orientada a Serviços é. E por que isso é tão crucial hoje em dia.   

Este blog navegará detalhadamente por todos os aspectos essenciais da SOA. Vamos começar:   

A evolução da Arquitetura Orientada a Serviços (SOA):

A ideia de SOA foi conceituada no final da década de 1990. Tudo começou como computação distribuída e programação modular. Logo ganhou popularidade e líderes do setor como Microsoft e IBM começaram a desenvolver metodologias para serviços de software distribuídos.  

Fonte da imagem: Wikipedia

SOA – O Termo:

Por volta de 1996, a frase "Arquitetura Orientada a Serviços" inicialmente surgiu e ganhou popularidade nos dez anos seguintes. O software como serviço (SOA) ofereceu um meio de montar aplicativos a partir de serviços modulares em vez de plataformas monolíticas, à medida que as empresas construíam sistemas empresariais cada vez mais complexos.  

Em 2024, hoje em dia a SOA sustenta muitas arquiteturas de software modernas, como microsserviços. Ele permite uma integração mais fácil entre sistemas diferentes e permite uma composição flexível de aplicativos.   

No competitivo mundo empresarial moderno, há uma imensa demanda por software adaptável rápido e eficiente. SOA prova ser uma escolha confiável, pois ajuda a tratar funções como serviços interoperáveis.

SOA tornou-se essencial no Século 21 para as empresas porque permite que os sistemas mudem e cresçam com mais facilidade devido à forma como separa e protege a lógica de negócio.  

Além disso, leia: 7 razões para tratar seriamente a arquitetura de aplicativos da web

Compreendendo os conceitos básicos de SOA:

I.  e eficaz

O conceito que gira em torno da SOA é a prestação de serviços. Agora vamos analisar o serviço – um serviço é um componente de software independente que executa uma função específica e pode ser acessado remotamente por meio de protocolos como HTTP.

Um aspecto que permanece universal em um serviço é uma interface padrão. Existem muitos tipos de serviços, desde serviços web tradicionais até microsserviços modernos.  

II.  Acoplamento solto

Uma das principais vantagens da SOA é o baixo acoplamento entre serviços. Isso significa que os serviços são projetados para ter dependências mínimas entre si.

Eles interagem por meio de simples trocas de dados, e as alterações em um serviço geralmente não exigem alterações em outros. O acoplamento frouxo promove flexibilidade e reutilização.

Se os serviços aderirem a um padrão de interface comum, eles poderão ser facilmente inseridos ou retirados de um aplicativo SOA.  

III.  Reutilização

A reutilização é outro atributo essencial da SOA. Serviços bem projetados encapsulam funções discretas e são escritos para serem reutilizáveis ​​em múltiplos contextos.

Ajuda em diferentes domínios com uma função fundamental no centro. Por exemplo, um serviço de autenticação de usuário pode ser consumido por qualquer aplicação que exija a verificação das identidades dos usuários.

Não ter que reconstruir funções básicas do zero melhora a produtividade do desenvolvedor. Também facilita a consistência e a padronização entre aplicativos. 

Quais são os princípios-chave da Arquitetura Orientada a Serviços?    

SOA oferece serviços que podem ser integrados e dimensionados dinamicamente. Os princípios de Arquitetura Orientada a Serviços permitem que as empresas respondam mais rapidamente às necessidades em constante mudança através da reutilização e remontagem flexíveis de componentes de serviço. Juntos, eles representam os pilares da arquitetura orientada a serviços.  

Agora vamos mergulhar em detalhes em cada um dos princípios-chave:   

  1. Interoperabilidade:
    A interoperabilidade entre serviços é crítica em SOA. Os serviços devem ser capazes de comunicar e trocar dados, independentemente das linguagens ou plataformas em que são construídos. A adesão a padrões abertos comuns como SOAP, WSDL e XML permite isso. Interfaces padronizadas permitem que os serviços entendam as mensagens uns dos outros.  
  2. Descoberta:
    A descoberta significa que os serviços podem ser facilmente encontrados e invocados. Registros como o UDDI permitem que serviços sejam publicados e descobertos em uma rede. Os metadados descritivos permitem a descoberta e as interfaces definidas permitem que os serviços interajam uma vez descobertos. Isso facilita o acoplamento fraco, pois os serviços não precisam de conhecimento prévio uns dos outros para trabalharem juntos.  
  3. Composabilidade:
    Combinabilidade é a capacidade de reunir vários serviços em aplicativos compostos. Cada serviço desempenha uma função específica. Eles podem ser organizados para criar fluxos de trabalho e aplicativos avançados. Por exemplo, um sistema de gerenciamento de pedidos poderia compor serviços separados para pesquisa de estoque, processamento de pagamentos e rastreamento de remessas.  

Além disso, leia: A importância do desenvolvimento web na transformação digital

Como funciona a Arquitetura Orientada a Serviços?  

Os serviços operam de forma independente e oferecem funcionalidade ou troca de dados aos seus usuários de uma forma arquitetura orientada a serviços (SOA). O usuário envia dados de entrada ao serviço e solicita informações.   

O serviço conclui a tarefa, analisa os dados e responde. Um aplicativo fornece o login e a senha para um serviço de autorização, por exemplo, se utilizar um. Após confirmar a senha e o login, o serviço fornece a resposta adequada.  

O que são protocolos de comunicação?   

Regras definidas que regem a transferência de dados através de uma rede são usadas pelos serviços para comunicação. Essas diretrizes são chamadas de protocolos de comunicação. A seguir estão alguns protocolos típicos usados ​​em implementações SOA:  

  • Serviço de Mensagens Java (JMS)   
  • Apache ThriftName   
  • Apache ActiveMQ   
  • HTTP RESTful;   
  • Protocolo de Acesso a Objetos Simples (SOAP)  

Observe que em sua SOA você pode até empregar múltiplas implementações de protocolo. O próximo segmento da arquitetura orientada a serviços é o ESB – um aspecto essencial do serviço.   

Numa arquitetura orientada a serviços, o que é um ESB?

Um software denominado barramento de serviço corporativo (ESB) pode ser usado para fazer interface com um sistema que inclui vários serviços. Independentemente da tecnologia, ela cria comunicação entre serviços e usuários dos serviços.    

Vantagens do ESB:

Através de uma interface de serviço reutilizável, um ESB oferece capacidades de transformação e comunicação. Um ESB pode ser comparado a um serviço centralizado que direciona solicitações de serviços ao fornecedor relevante. Além disso, converte a solicitação em um formato compatível com a linguagem de programação e plataforma subjacente do serviço.  

Além disso, leia: Aumente o ROI do desenvolvimento da Web: dicas de especialistas para proprietários de empresas

Diferentes vantagens do SOA:  

  • Maior flexibilidade e adaptabilidade:
    Um dos principais benefícios da SOA é maior flexibilidade e adaptabilidade. O fraco acoplamento entre serviços permite que eles sejam facilmente recombinados para atender às mudanças nas necessidades de negócios. Os serviços podem ser reutilizados em novos fluxos de trabalho sem reescrevê-los.   
    SOA também permite que diferentes tecnologias interajam, abstraindo funcionalidades por trás de uma interface de serviço. Isso ajuda as organizações a modernizarem gradativamente os sistemas legados.  
  • Melhor escalabilidade:
    SOA também promove melhor escalabilidade. Os serviços podem ser compartilhados e reutilizados com eficiência, reduzindo a redundância. Recursos adicionais podem ser provisionados para atender aos picos de demanda. Os serviços podem ser implantados de forma independente, portanto podem ser dimensionados horizontalmente conforme necessário. No entanto, a escalabilidade ainda requer um planejamento cuidadoso da capacidade e testes de carga de trabalho.  
  • Economia de custo:
    A eficiência de custos é outra vantagem. A reutilização dos serviços SOA reduz significativamente os custos de desenvolvimento a longo prazo, evitando trabalho redundante. Os custos operacionais também são mais baixos porque os serviços podem ser consolidados e partilhados de forma eficiente. A flexibilidade da SOA melhora a utilização de recursos, uma vez que os serviços podem ser reutilizados em múltiplas aplicações.  

Desafios e Melhores Práticas em SOA:

A adoção da arquitetura orientada a serviços traz muitos benefícios, mas também apresenta alguns desafios importantes que as organizações devem enfrentar:  

  • Segurança de dados:
    A segurança é extremamente importante em SOA. Os serviços são acessíveis através de redes e podem conter dados confidenciais. Fortes controles de acesso, criptografia e certificados devem ser usados ​​para proteger as interações de serviço. Mecanismos de autenticação e autorização devem ser implementados. Recomenda-se seguir padrões de segurança como SAML, OAuth e OpenID Connect.    
  • Alinhamento com os objetivos do negócio:
    A governança garante que as iniciativas SOA estejam alinhadas com os objetivos de negócios. Ele estabelece políticas para gerenciamento, propriedade, reutilização e evolução do ciclo de vida do serviço. As equipes do centro de excelência geralmente supervisionam a governança. Sem governança, os projetos SOA correm o risco de se tornarem desorganizados e ineficientes.  
  • Estratégia prudente:
    A integração da SOA com sistemas legados pode ser difícil, mas muitas vezes é necessária durante a adoção. Estratégias como fachadas de serviço e adaptadores colocam wrappers em torno do código legado para expor funcionalidades como serviços. As ferramentas de mapeamento e sincronização de dados ajudam a unir o antigo e o novo. É necessário um planejamento cuidadoso para integrar SOA de forma incremental sem interromper as operações legadas.  

Além disso, leia: Como uma empresa de desenvolvimento Web pode ajudar sua empresa a crescer?

Quais são as limitações da implementação da arquitetura orientada a serviços?

  • Escalabilidade limitada:
    Quando os serviços devem cooperar e partilhar muitos recursos para funcionar, a escalabilidade do sistema é gravemente prejudicada.   
  • Crescentes interdependências:
    Sistemas com arquitetura orientada a serviços (SOA) têm potencial para crescer em complexidade e interdependência ao longo do tempo. Se vários serviços estiverem fazendo chamadas repetidas entre si, poderá ser difícil alterá-los ou solucionar problemas. O sistema também pode ficar mais lento quando são usados ​​recursos compartilhados, como bancos de dados centralizados.  
  • ponto solitário de falha:
    Ao implementar SOA, um ESB introduz um único ponto de falha. É um serviço centralizado, que se opõe ao apoio da SOA à descentralização. Se o ESB estiver inoperante, os clientes e os serviços não conseguirão se comunicar entre si.  

O que são Microsserviços?

Arquitetura de microsserviços consiste em pequenas unidades de software totalmente autônomas, chamadas microsserviços, que são específicas para tarefas e especializadas em uma área. Os desenvolvedores criam regras chamadas APIs (interfaces de programação de aplicativos) que permitem que microsserviços se conectem a outros sistemas de software.  

Os ambientes modernos de computação em nuvem são adequados para arquitetura de microsserviços abordagem. Eles frequentemente trabalham em contêineres, que são unidades de software autônomas que agrupam código com todas as suas dependências.  

Benefícios dos microsserviços:

Microservices são nativos da nuvem e fornecem recursos como escalabilidade independente, velocidade, portabilidade e agnosticismo de plataforma. Além disso, eles são desacoplados, o que significa que sua dependência de outros microsserviços é mínima ou inexistente.

Para fazer isso, em vez de ter acesso remoto a dados centralizados que também são acessados ​​e usados ​​por outros sistemas, os microsserviços têm acesso local a todos os dados de que necessitam. Devido à duplicação de dados causada por isso, os microsserviços proporcionam ganhos de desempenho e agilidade.  

Além disso, leia: 25 ferramentas de desenvolvimento da Web essenciais para aumentar sua produtividade

SOA x microsserviços

Especialistas compararam e definiram as diferenças mínimas entre microsserviços e SOA, preenchendo milhares de páginas impressas e digitais no processo. As principais distinções entre os dois neste blog são como os componentes são acoplados e quão amplamente são usados:  

SOA é um conceito de toda a empresa e uma abordagem arquitetônica para integração. Torna possível que aplicações em uma área de uma empresa estendida reutilizem funcionalidades em outras áreas, expondo-as através de interfaces fracamente conectadas, cada uma das quais corresponde a uma função de negócios.  

Microservices arquitetura é um conceito e um estilo arquitetônico específico para aplicações. Torna possível dividir os componentes internos de um aplicativo em partes gerenciáveis ​​que podem ser dimensionadas, modificadas e ajustadas por conta própria. Não especifica como os aplicativos se comunicam entre si; para isso, devemos nos referir ao escopo empresarial das interfaces de serviço fornecidas pela SOA.  

Os microsserviços ajudam a aprimorar e agilizar o fluxo de trabalho sem problemas:

Com o surgimento da virtualização, da computação em nuvem, Metodologias ágeis de desenvolvimento, e DevOps, a arquitetura de microsserviços ganhou impulso.

Os mais microsserviçosOs benefícios nestas situações decorrem da dissociação de componentes, que agiliza e potencia:  

  • Produtividade e Agilidade dos Desenvolvedores 
    Com microsserviços, os desenvolvedores podem adicionar novos recursos a uma área específica de um aplicativo sem afetar o restante. Os ciclos de iteração são acelerados pela capacidade de um componente ser alterado, testado e implementado independentemente dos outros.  
  • AMPLIAR  
    A escalabilidade é um recurso do qual os microsserviços podem se beneficiar totalmente na nuvem. Cada componente pode ser dimensionado independentemente dos outros, permitindo uma reação mais rápida às necessidades da carga de trabalho e o uso mais econômico dos recursos computacionais.  
  • Resiliência 
    Mais uma vez, a falha de um microsserviço não afeta os demais devido ao desacoplamento. Sem expor as outras partes da aplicação ou os outros componentes aos mais elevados padrões de disponibilidade comuns, cada microsserviço pode operar para atender aos seus requisitos de disponibilidade.  

Essas mesmas estratégias podem ser usadas para integração, assim como a arquitetura de microsserviços tem o potencial de aumentar a agilidade, escalabilidade e resiliência do design de aplicativos.

Isto é crucial porque a estrutura ESB altamente centralizada e a equipe centralizada de especialistas em integração que a acompanha têm o potencial de se tornarem gargalos ao longo do tempo.

Possivelmente seguindo a sugestão da arquitetura de microsserviços, podemos dividir o ESB em integrações menores e descentralizadas. Esta é uma das ideias fundamentais da integração ágil.  

Além disso, leia: Principais desafios e soluções de desenvolvimento da Web

Tendências Futuras Antecipadas em SOA:

Os princípios SOA estão evoluindo para novos estilos de arquitetura, como microsserviços e sem servidor. Eles se baseiam em bases SOA para sistemas distribuídos, mas com tecnologias atualizadas, como contêineres. SOA e microsserviços provavelmente convergirão com o tempo.  

Tecnologias emergentes como IA, blockchain, 5G e computação de ponta integrar-se-á e aprimorará SOA. A IA poderia melhorar a composição, descoberta e desempenho do serviço. Blockchain pode proteger transações de serviços. As redes 5G e a computação de ponta permitirão serviços em mais dispositivos.  

SOA continuará se expandindo além da empresa. Ecossistemas de API abertos permitirá que os serviços sejam compartilhados globalmente como serviços públicos. Os serviços e eventos abrangerão cada vez mais ambientes locais e na nuvem. A Internet das Coisas conectará mais objetos físicos por meio de SOA.  

Bem, pode-se concluir que SOA permanecerá relevante mesmo com o surgimento de novas arquiteturas. A sua ênfase em serviços detectáveis ​​e reutilizáveis ​​proporcionará continuidade.

Mas esperamos que a SOA continue se adaptando à medida que tecnologias como IA e blockchain transformam o desenvolvimento e os modelos de negócios. Os princípios da SOA continuarão evoluindo para impulsionar a inovação de software nos próximos anos.  

Considerações finais

Arquitetura Orientada a Serviços continua sendo uma abordagem fundamental para a construção de aplicativos de software corporativos. Olhando para o futuro, a SOA continuará a se adaptar e a agregar valor em nosso cenário tecnológico em rápida mudança. Os princípios fundamentais por trás da SOA – serviços modulares, capacidade de descoberta, interoperabilidade – são tão relevantes como sempre. Integrando SOA com inovações como IA e blockchain irá desbloquear possibilidades ainda maiores.    

Para permanecer competitivo nos negócios, a agilidade estratégica e a otimização fornecidas pela SOA são inestimáveis. É por isso que as organizações devem adotar e aproveitar a arquitetura orientada a serviços para as suas necessidades de software, tanto agora como no futuro. Com governança e planejamento disciplinados, a SOA pode fornecer a espinha dorsal da arquitetura para apoiar a inovação e a evolução contínuas do software.  

Além disso, leia: Desenvolvimento de aplicativos da Web personalizados: 10 maneiras poderosas de aumentar a receita do seu negócio

Perguntas frequentes:

P. O que é Arquitetura Orientada a Serviços (SOA)?  

A arquitetura orientada a serviços (SOA) é uma abordagem de design no desenvolvimento de software onde componentes de software, ou serviços, são organizados e integrados para criar um sistema escalável e flexível. Esses serviços comunicam-se entre si através de interfaces bem definidas, promovendo interoperabilidade e reutilização.  

P. Como a SOA difere das arquiteturas de software tradicionais?  

Ao contrário das arquiteturas monolíticas tradicionais, a SOA decompõe um sistema em serviços modulares e fracamente acoplados. Isso permite melhor escalabilidade, manutenção mais fácil e capacidade de atualizar ou substituir serviços individuais sem afetar todo o sistema.  

P. Quais são os principais componentes de uma Arquitetura Orientada a Serviços?  

Os principais componentes da SOA incluem serviços, que são unidades independentes de funcionalidade; consumidores de serviços, que solicitam e utilizam os serviços; e prestadores de serviços, que implementam e prestam os serviços. Além disso, um registro/repositório de serviços é frequentemente usado para armazenar informações sobre os serviços disponíveis.  

P. Como a SOA aumenta a agilidade dos negócios?  

SOA promove agilidade nos negócios, permitindo que as organizações se adaptem rapidamente às mudanças nos requisitos. A natureza modular dos serviços permite modificações ou adições mais fáceis ao sistema, tornando-o mais responsivo à evolução das necessidades de negócios. Essa agilidade é crucial em ambientes de negócios dinâmicos e competitivos. 

P. Você pode fornecer um exemplo de como a SOA é aplicada em cenários do mundo real?  

Considere um sistema de comércio eletrônico utilizando SOA. O sistema pode ter serviços separados para gerenciamento de estoque, processamento de pedidos, processamento de pagamentos e gerenciamento de clientes. Esses serviços podem operar de forma independente, permitindo que o sistema seja dimensionado com mais eficiência, e atualizações ou melhorias em um serviço não interromperão todo o sistema. Os serviços comunicam-se através de interfaces padronizadas, promovendo integração e flexibilidade perfeitas.  

[sc name = "Desenvolvimento da web"] [add_newsletter] [add_related_page_diff_contents blog_cat = "aplicativo da web"]

Arquitetura orientada a serviços (SOA) é uma abordagem arquitetônica para construir sistemas de software que utilizam serviços como elementos fundamentais. Nas últimas duas décadas, SOA fez mudanças e crescimento notáveis ​​no desenvolvimento de software.  

O uso de componentes de software conhecidos como serviços para construir aplicativos de negócios é conhecido como arquitetura orientada a serviços ou SOA. Cada serviço oferece uma determinada função comercial e todos podem conversar entre si em vários idiomas e plataformas. Com SOA, os desenvolvedores podem integrar vários serviços independentes para realizar tarefas complexas ou reutilizar serviços em diferentes sistemas.  

Para entender como SOA é um divisor de águas, devemos primeiro entender o que Arquitetura Orientada a Serviços é. E por que isso é tão crucial hoje em dia.   

Este blog navegará detalhadamente por todos os aspectos essenciais da SOA. Vamos começar:   

A evolução da Arquitetura Orientada a Serviços (SOA):

A ideia de SOA foi conceituada no final da década de 1990. Tudo começou como computação distribuída e programação modular. Logo ganhou popularidade e líderes do setor como Microsoft e IBM começaram a desenvolver metodologias para serviços de software distribuídos.  

Fonte da imagem: Wikipedia

SOA – O Termo:

Por volta de 1996, a frase “Arquitetura Orientada a Serviços” inicialmente surgiu e ganhou popularidade nos dez anos seguintes. O software como serviço (SOA) ofereceu um meio de montar aplicativos a partir de serviços modulares em vez de plataformas monolíticas, à medida que as empresas construíam sistemas empresariais cada vez mais complexos.  

Em 2024, hoje em dia a SOA sustenta muitas arquiteturas de software modernas, como microsserviços. Ele permite uma integração mais fácil entre sistemas diferentes e permite uma composição flexível de aplicativos.   

No competitivo mundo empresarial moderno, há uma imensa demanda por software adaptável rápido e eficiente. SOA prova ser uma escolha confiável, pois ajuda a tratar funções como serviços interoperáveis.

SOA tornou-se essencial no Século 21 para as empresas porque permite que os sistemas mudem e cresçam com mais facilidade devido à forma como separa e protege a lógica de negócio.  

Além disso, leia: 7 razões para tratar seriamente a arquitetura de aplicativos da web

Compreendendo os conceitos básicos de SOA:

I.  e eficaz

O conceito que gira em torno da SOA é a prestação de serviços. Agora vamos analisar o serviço – um serviço é um componente de software independente que executa uma função específica e pode ser acessado remotamente por meio de protocolos como HTTP.

Um aspecto que permanece universal em um serviço é uma interface padrão. Existem muitos tipos de serviços, desde serviços web tradicionais até microsserviços modernos.  

II.  Acoplamento solto

Uma das principais vantagens da SOA é o baixo acoplamento entre serviços. Isso significa que os serviços são projetados para ter dependências mínimas entre si.

Eles interagem por meio de simples trocas de dados, e as alterações em um serviço geralmente não exigem alterações em outros. O acoplamento frouxo promove flexibilidade e reutilização.

Se os serviços aderirem a um padrão de interface comum, eles poderão ser facilmente inseridos ou retirados de um aplicativo SOA.  

III.  Reutilização

A reutilização é outro atributo essencial da SOA. Serviços bem projetados encapsulam funções discretas e são escritos para serem reutilizáveis ​​em múltiplos contextos.

Ajuda em diferentes domínios com uma função fundamental no centro. Por exemplo, um serviço de autenticação de usuário pode ser consumido por qualquer aplicação que exija a verificação das identidades dos usuários.

Não ter que reconstruir funções básicas do zero melhora a produtividade do desenvolvedor. Também facilita a consistência e a padronização entre aplicativos. 

Quais são os princípios-chave da Arquitetura Orientada a Serviços?    

SOA oferece serviços que podem ser integrados e dimensionados dinamicamente. Os princípios de Arquitetura Orientada a Serviços permitem que as empresas respondam mais rapidamente às necessidades em constante mudança através da reutilização e remontagem flexíveis de componentes de serviço. Juntos, eles representam os pilares da arquitetura orientada a serviços.  

Agora vamos mergulhar em detalhes em cada um dos princípios-chave:   

  1. Interoperabilidade:
    A interoperabilidade entre serviços é crítica em SOA. Os serviços devem ser capazes de comunicar e trocar dados, independentemente das linguagens ou plataformas em que são construídos. A adesão a padrões abertos comuns como SOAP, WSDL e XML permite isso. Interfaces padronizadas permitem que os serviços entendam as mensagens uns dos outros.  
  2. Descoberta:
    A descoberta significa que os serviços podem ser facilmente encontrados e invocados. Registros como o UDDI permitem que serviços sejam publicados e descobertos em uma rede. Os metadados descritivos permitem a descoberta e as interfaces definidas permitem que os serviços interajam uma vez descobertos. Isso facilita o acoplamento fraco, pois os serviços não precisam de conhecimento prévio uns dos outros para trabalharem juntos.  
  3. Composabilidade:
    Combinabilidade é a capacidade de reunir vários serviços em aplicativos compostos. Cada serviço desempenha uma função específica. Eles podem ser organizados para criar fluxos de trabalho e aplicativos avançados. Por exemplo, um sistema de gerenciamento de pedidos poderia compor serviços separados para pesquisa de estoque, processamento de pagamentos e rastreamento de remessas.  

Além disso, leia: A importância do desenvolvimento web na transformação digital

Como funciona a Arquitetura Orientada a Serviços?  

Os serviços operam de forma independente e oferecem funcionalidade ou troca de dados aos seus usuários de uma forma arquitetura orientada a serviços (SOA). O usuário envia dados de entrada ao serviço e solicita informações.   

O serviço conclui a tarefa, analisa os dados e responde. Um aplicativo fornece o login e a senha para um serviço de autorização, por exemplo, se utilizar um. Após confirmar a senha e o login, o serviço fornece a resposta adequada.  

O que são protocolos de comunicação?   

Regras definidas que regem a transferência de dados através de uma rede são usadas pelos serviços para comunicação. Essas diretrizes são chamadas de protocolos de comunicação. A seguir estão alguns protocolos típicos usados ​​em implementações SOA:  

  • Serviço de Mensagens Java (JMS)   
  • Apache ThriftName   
  • Apache ActiveMQ   
  • HTTP RESTful;   
  • Protocolo de Acesso a Objetos Simples (SOAP)  

Observe que em sua SOA você pode até empregar múltiplas implementações de protocolo. O próximo segmento da arquitetura orientada a serviços é o ESB – um aspecto essencial do serviço.   

Numa arquitetura orientada a serviços, o que é um ESB?

Um software denominado barramento de serviço corporativo (ESB) pode ser usado para fazer interface com um sistema que inclui vários serviços. Independentemente da tecnologia, ela cria comunicação entre serviços e usuários dos serviços.    

Vantagens do ESB:

Através de uma interface de serviço reutilizável, um ESB oferece capacidades de transformação e comunicação. Um ESB pode ser comparado a um serviço centralizado que direciona solicitações de serviços ao fornecedor relevante. Além disso, converte a solicitação em um formato compatível com a linguagem de programação e plataforma subjacente do serviço.  

Além disso, leia: Aumente o ROI do desenvolvimento da Web: dicas de especialistas para proprietários de empresas

Diferentes vantagens do SOA:  

  • Maior flexibilidade e adaptabilidade:
    Um dos principais benefícios da SOA é maior flexibilidade e adaptabilidade. O fraco acoplamento entre serviços permite que eles sejam facilmente recombinados para atender às mudanças nas necessidades de negócios. Os serviços podem ser reutilizados em novos fluxos de trabalho sem reescrevê-los.   
    SOA também permite que diferentes tecnologias interajam, abstraindo funcionalidades por trás de uma interface de serviço. Isso ajuda as organizações a modernizarem gradativamente os sistemas legados.  
  • Melhor escalabilidade:
    SOA também promove melhor escalabilidade. Os serviços podem ser compartilhados e reutilizados com eficiência, reduzindo a redundância. Recursos adicionais podem ser provisionados para atender aos picos de demanda. Os serviços podem ser implantados de forma independente, portanto podem ser dimensionados horizontalmente conforme necessário. No entanto, a escalabilidade ainda requer um planejamento cuidadoso da capacidade e testes de carga de trabalho.  
  • Economia de custo:
    A eficiência de custos é outra vantagem. A reutilização dos serviços SOA reduz significativamente os custos de desenvolvimento a longo prazo, evitando trabalho redundante. Os custos operacionais também são mais baixos porque os serviços podem ser consolidados e partilhados de forma eficiente. A flexibilidade da SOA melhora a utilização de recursos, uma vez que os serviços podem ser reutilizados em múltiplas aplicações.  

Desafios e Melhores Práticas em SOA:

A adoção da arquitetura orientada a serviços traz muitos benefícios, mas também apresenta alguns desafios importantes que as organizações devem enfrentar:  

  • Segurança de dados:
    A segurança é extremamente importante em SOA. Os serviços são acessíveis através de redes e podem conter dados confidenciais. Fortes controles de acesso, criptografia e certificados devem ser usados ​​para proteger as interações de serviço. Mecanismos de autenticação e autorização devem ser implementados. Recomenda-se seguir padrões de segurança como SAML, OAuth e OpenID Connect.    
  • Alinhamento com os objetivos do negócio:
    A governança garante que as iniciativas SOA estejam alinhadas com os objetivos de negócios. Ele estabelece políticas para gerenciamento, propriedade, reutilização e evolução do ciclo de vida do serviço. As equipes do centro de excelência geralmente supervisionam a governança. Sem governança, os projetos SOA correm o risco de se tornarem desorganizados e ineficientes.  
  • Estratégia prudente:
    A integração da SOA com sistemas legados pode ser difícil, mas muitas vezes é necessária durante a adoção. Estratégias como fachadas de serviço e adaptadores colocam wrappers em torno do código legado para expor funcionalidades como serviços. As ferramentas de mapeamento e sincronização de dados ajudam a unir o antigo e o novo. É necessário um planejamento cuidadoso para integrar SOA de forma incremental sem interromper as operações legadas.  

Além disso, leia: Como uma empresa de desenvolvimento Web pode ajudar sua empresa a crescer?

Quais são as limitações da implementação da arquitetura orientada a serviços?

  • Escalabilidade limitada:
    Quando os serviços devem cooperar e partilhar muitos recursos para funcionar, a escalabilidade do sistema é gravemente prejudicada.   
  • Crescentes interdependências:
    Sistemas com arquitetura orientada a serviços (SOA) têm potencial para crescer em complexidade e interdependência ao longo do tempo. Se vários serviços estiverem fazendo chamadas repetidas entre si, poderá ser difícil alterá-los ou solucionar problemas. O sistema também pode ficar mais lento quando são usados ​​recursos compartilhados, como bancos de dados centralizados.  
  • ponto solitário de falha:
    Ao implementar SOA, um ESB introduz um único ponto de falha. É um serviço centralizado, que se opõe ao apoio da SOA à descentralização. Se o ESB estiver inoperante, os clientes e os serviços não conseguirão se comunicar entre si.  

O que são Microsserviços?

Arquitetura de microsserviços consiste em pequenas unidades de software totalmente autônomas, chamadas microsserviços, que são específicas para tarefas e especializadas em uma área. Os desenvolvedores criam regras chamadas APIs (interfaces de programação de aplicativos) que permitem que microsserviços se conectem a outros sistemas de software.  

Os ambientes modernos de computação em nuvem são adequados para arquitetura de microsserviços abordagem. Eles frequentemente trabalham em contêineres, que são unidades de software autônomas que agrupam código com todas as suas dependências.  

Benefícios dos microsserviços:

Microservices são nativos da nuvem e fornecem recursos como escalabilidade independente, velocidade, portabilidade e agnosticismo de plataforma. Além disso, eles são desacoplados, o que significa que sua dependência de outros microsserviços é mínima ou inexistente.

Para fazer isso, em vez de ter acesso remoto a dados centralizados que também são acessados ​​e usados ​​por outros sistemas, os microsserviços têm acesso local a todos os dados de que necessitam. Devido à duplicação de dados causada por isso, os microsserviços proporcionam ganhos de desempenho e agilidade.  

Além disso, leia: 25 ferramentas de desenvolvimento da Web essenciais para aumentar sua produtividade

SOA x microsserviços

Especialistas compararam e definiram as diferenças mínimas entre microsserviços e SOA, preenchendo milhares de páginas impressas e digitais no processo. As principais distinções entre os dois neste blog são como os componentes são acoplados e quão amplamente são usados:  

SOA é um conceito de toda a empresa e uma abordagem arquitetônica para integração. Torna possível que aplicações em uma área de uma empresa estendida reutilizem funcionalidades em outras áreas, expondo-as através de interfaces fracamente conectadas, cada uma das quais corresponde a uma função de negócios.  

Microservices arquitetura é um conceito e um estilo arquitetônico específico para aplicações. Torna possível dividir os componentes internos de um aplicativo em partes gerenciáveis ​​que podem ser dimensionadas, modificadas e ajustadas por conta própria. Não especifica como os aplicativos se comunicam entre si; para isso, devemos nos referir ao escopo empresarial das interfaces de serviço fornecidas pela SOA.  

Os microsserviços ajudam a aprimorar e agilizar o fluxo de trabalho sem problemas:

Com o surgimento da virtualização, da computação em nuvem, Metodologias ágeis de desenvolvimento, e DevOps, a arquitetura de microsserviços ganhou impulso.

Os mais microsserviçosOs benefícios nestas situações decorrem da dissociação de componentes, que agiliza e potencia:  

  • Produtividade e Agilidade dos Desenvolvedores 
    Com microsserviços, os desenvolvedores podem adicionar novos recursos a uma área específica de um aplicativo sem afetar o restante. Os ciclos de iteração são acelerados pela capacidade de um componente ser alterado, testado e implementado independentemente dos outros.  
  • AMPLIAR  
    A escalabilidade é um recurso do qual os microsserviços podem se beneficiar totalmente na nuvem. Cada componente pode ser dimensionado independentemente dos outros, permitindo uma reação mais rápida às necessidades da carga de trabalho e o uso mais econômico dos recursos computacionais.  
  • Resiliência 
    Mais uma vez, a falha de um microsserviço não afeta os demais devido ao desacoplamento. Sem expor as outras partes da aplicação ou os outros componentes aos mais elevados padrões de disponibilidade comuns, cada microsserviço pode operar para atender aos seus requisitos de disponibilidade.  

Essas mesmas estratégias podem ser usadas para integração, assim como a arquitetura de microsserviços tem o potencial de aumentar a agilidade, escalabilidade e resiliência do design de aplicativos.

Isto é crucial porque a estrutura ESB altamente centralizada e a equipe centralizada de especialistas em integração que a acompanha têm o potencial de se tornarem gargalos ao longo do tempo.

Possivelmente seguindo a sugestão da arquitetura de microsserviços, podemos dividir o ESB em integrações menores e descentralizadas. Esta é uma das ideias fundamentais da integração ágil.  

Além disso, leia: Principais desafios e soluções de desenvolvimento da Web

Tendências Futuras Antecipadas em SOA:

Os princípios SOA estão evoluindo para novos estilos de arquitetura, como microsserviços e sem servidor. Eles se baseiam em bases SOA para sistemas distribuídos, mas com tecnologias atualizadas, como contêineres. SOA e microsserviços provavelmente convergirão com o tempo.  

Tecnologias emergentes como IA, blockchain, 5G e computação de ponta integrar-se-á e aprimorará SOA. A IA poderia melhorar a composição, descoberta e desempenho do serviço. Blockchain pode proteger transações de serviços. As redes 5G e a computação de ponta permitirão serviços em mais dispositivos.  

SOA continuará se expandindo além da empresa. Ecossistemas de API abertos permitirá que os serviços sejam compartilhados globalmente como serviços públicos. Os serviços e eventos abrangerão cada vez mais ambientes locais e na nuvem. A Internet das Coisas conectará mais objetos físicos por meio de SOA.  

Bem, pode-se concluir que SOA permanecerá relevante mesmo com o surgimento de novas arquiteturas. A sua ênfase em serviços detectáveis ​​e reutilizáveis ​​proporcionará continuidade.

Mas esperamos que a SOA continue se adaptando à medida que tecnologias como IA e blockchain transformam o desenvolvimento e os modelos de negócios. Os princípios da SOA continuarão evoluindo para impulsionar a inovação de software nos próximos anos.  

Considerações finais

Arquitetura Orientada a Serviços continua sendo uma abordagem fundamental para a construção de aplicativos de software corporativos. Olhando para o futuro, a SOA continuará a se adaptar e a agregar valor em nosso cenário tecnológico em rápida mudança. Os princípios fundamentais por trás da SOA – serviços modulares, capacidade de descoberta, interoperabilidade – são tão relevantes como sempre. Integrando SOA com inovações como IA e blockchain irá desbloquear possibilidades ainda maiores.    

Para permanecer competitivo nos negócios, a agilidade estratégica e a otimização fornecidas pela SOA são inestimáveis. É por isso que as organizações devem adotar e aproveitar a arquitetura orientada a serviços para as suas necessidades de software, tanto agora como no futuro. Com governança e planejamento disciplinados, a SOA pode fornecer a espinha dorsal da arquitetura para apoiar a inovação e a evolução contínuas do software.  

Além disso, leia: Desenvolvimento de aplicativos da Web personalizados: 10 maneiras poderosas de aumentar a receita do seu negócio

Perguntas frequentes:

P. O que é Arquitetura Orientada a Serviços (SOA)?  

A arquitetura orientada a serviços (SOA) é uma abordagem de design no desenvolvimento de software onde componentes de software, ou serviços, são organizados e integrados para criar um sistema escalável e flexível. Esses serviços comunicam-se entre si através de interfaces bem definidas, promovendo interoperabilidade e reutilização.  

P. Como a SOA difere das arquiteturas de software tradicionais?  

Ao contrário das arquiteturas monolíticas tradicionais, a SOA decompõe um sistema em serviços modulares e fracamente acoplados. Isso permite melhor escalabilidade, manutenção mais fácil e capacidade de atualizar ou substituir serviços individuais sem afetar todo o sistema.  

P. Quais são os principais componentes de uma Arquitetura Orientada a Serviços?  

Os principais componentes da SOA incluem serviços, que são unidades independentes de funcionalidade; consumidores de serviços, que solicitam e utilizam os serviços; e prestadores de serviços, que implementam e prestam os serviços. Além disso, um registro/repositório de serviços é frequentemente usado para armazenar informações sobre os serviços disponíveis.  

P. Como a SOA aumenta a agilidade dos negócios?  

SOA promove agilidade nos negócios, permitindo que as organizações se adaptem rapidamente às mudanças nos requisitos. A natureza modular dos serviços permite modificações ou adições mais fáceis ao sistema, tornando-o mais responsivo à evolução das necessidades de negócios. Essa agilidade é crucial em ambientes de negócios dinâmicos e competitivos. 

P. Você pode fornecer um exemplo de como a SOA é aplicada em cenários do mundo real?  

Considere um sistema de comércio eletrônico utilizando SOA. O sistema pode ter serviços separados para gerenciamento de estoque, processamento de pedidos, processamento de pagamentos e gerenciamento de clientes. Esses serviços podem operar de forma independente, permitindo que o sistema seja dimensionado com mais eficiência, e atualizações ou melhorias em um serviço não interromperão todo o sistema. Os serviços comunicam-se através de interfaces padronizadas, promovendo integração e flexibilidade perfeitas.  

Serviços de desenvolvimento web

Você está procurando uma empresa de desenvolvimento web confiável? Nossos desenvolvedores web altamente qualificados nos permitem entregar serviços de desenvolvimento web orientados a resultados. Entre em contato com nossa equipe para entender como podemos ajudá-lo a atingir seus objetivos de negócios.



convidado
0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários
0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x